Uma história de conquistas

A história da APEOP começa em 19 de março de 1947 quando um grupo de "representantes de firmas contratantes de obras públicas" realizou, na sede do Instituto de Engenharia (Rua Libero Badaró, 39 - 12o. andar), a primeira da série de três reuniões preparatórias convocadas com o objetivo de se fundar "uma associação dos empreiteiros rodoviários". Na terceira reunião, em 8 de abril, foi lido o anteprojeto dos estatutos da futura entidade, prevendo-se a aceitação de empresas concessionárias de serviços públicos.

Em 24 de abril ocorreu a assembléia geral de fundação e constituição da Associação Profissional dos Contratantes de Obras Públicas de Engenharia no Estado de São Paulo, "para fins de estudos, coordenação e representação legal de seus associados, com o intuito de colaborar com os poderes públicos como órgão técnico e consultivo e as demais associações profissionais, pugnando pelo interesse e solidariedade da classe". Presidente e vice, respectivamente, os engenheiros Francisco de Azevedo e Eduardo Celestino Rodrigues foram eleitos por aclamação. No final de 1947, a entidade já reunia 54 associadas.

O nome original, por exigência do Ministério do Trabalho, foi alterado pouco depois para Associação Profissional da Indústria da Construção de Estradas, Pontes, Portos e Canais do Estado de São Paulo. Em 1967 a instituição foi transformada em entidade civil e ganhou a denominação de APEOP - Associação Paulista de Empreiteiros de Obras Públicas. Finalmente, em agosto de 1993, sob a mesma sigla, a APEOP passou a se chamar "Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas”. O "E" passou a significar "Empresários" ao invés de "Empreiteiros". A mudança foi determinada pela necessidade de se incorporar ao nome da entidade o novo perfil das empresas do setor que, sem abandonar o mercado tradicional de obras públicas, estão progressivamente vinculando seus negócios a uma participação, crescente, nos processos de concessões e parcerias público-privadas (PPPs) para construção e exploração de equipamentos e serviços públicos. Nesse papel de parceiros de um novo Estado, estão assumindo a responsabilidade de mobilizar recursos privados para a retomada e ampliação dos investimentos na infraestrutura econômica e social, que sabidamente apresenta um considerável passivo de carências devido ao esgotamento do modelo anterior de financiamento exclusivamente público.

E o conjunto da história da entidade confunde-se, em grande medida, com a da execução de projetos referenciais do desenvolvimento do estado de São Paulo e da melhoria da vida da sua população – das hidrelétricas e modernas rodovias que temos até a construção de rede do Metrô e as obras de saneamento e habitação popular, entre muitas outras.

A APEOP é constituída por empresas de todos os portes – grandes, médias e pequenas – que participam de obras e empreendimentos das três esferas do poder público. E que empregam milhares de trabalhadores – dos chamados peões (para muitos dos quais esse é o caminho da inserção no mercado de trabalho e da inclusão social) até profissionais especializados.

As empresas associadas desenvolvem sua atuação especialmente nas áreas de saneamento, edificação, pavimentação urbana, energia elétrica, habitação popular, conservação de ruas e jardins, telefonia, obras pesadas (pontes, viadutos, metrô, portos, aeroportos, barragens), rodoviária (terraplenagem e pavimentação), ferroviária, imobiliária e de tecnologia (consultoria e projetos).

veja também

foto história