notícias

Noticias do setor da construção civil

Setor

SP/12/junho/2018

Combustível fez cimento subir 5%, diz CBIC

JORNAL O ESTADO DE S. PAULO - 12/06/2018


Representante da construção civil se reuniu com Temer para reclamar da política de preços da Petrobrás

Fernando Nakagawa | Brasília

A lista de insatisfeitos com a política de preços da Petrobrás continua crescendo. Depois dos caminhoneiros, o setor da construção civil reclamou ao presidente Michel Temer dos reajustes frequentes. O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC), José Carlos Martins, deu como exemplo o aumento recente de 5% no preço do cimento e de 3% no aço provocado pelos combustíveis mais caros. Segundo Martins, a manutenção dessa política pela estatal pode gerar desemprego na construção.

Ele disse aos jornalistas que, se a política de preços da Petrobrás for mantida, será preciso adotar algum ajuste para que "as construtoras sobrevivam".

O problema levado a Temer é o descasamento entre custos em alta e dificuldade contratual de repassar o aumento aos clientes. O caso mais grave ocorre no setor público. "Como vou incluir no preço de um projeto um aumento de 20% ou 30% como ocorrido recentemente? O Tribunal de Contas da União certamente vai dizer que é superfaturado", disse. Para pessoas físicas, construtoras podem repassar o aumento a cada ano. "É preciso ter o mínimo de previsibilidade", afirmou Martins, ao reclamar do monopólio da Petrobrás no Brasil.

O executivo disse que na reunião com Temer tratou apenas da política de preços da Petrobrás e não da tabela de fretes. Mas reconheceu que os temas são relacionados e que a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra o tabelamento "pode ser uma saída". Há pouco mais de um mês a CBIC já havia reclamado da política de preços com Pedro Parente, então presidente da estatal.

análiseda semana

Trecho inicial dessa edição do Análise da Semana

 

Estes são dois ingredientes básicos que devem nortear a política habitacional do país, segundo o vice-presidente de Habitação da APEOP, Luiz Antonio Zamperlini.